quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Questões

Se aprendemos desde sempre que ninguém é igual a ninguém, por que fazemos parecer que é necessário todo mundo ser igual a todo mundo? E se todo mundo é igual a todo mundo, por que às vezes não somos vistos como todos iguais? Afinal, somos iguais ou diferentes?
Se ninguém sabe imediatamente o que fazer da própria vida, por que cobramos tanto que os outros saibam?
Por que mentimos quando a verdade seria a melhor solução? Por que passamos tanto tempo nos maquiando em vez de mostrarmos ao mundo quem realmente somos? Por que acreditamos em mentiras que lemos nos jornais, mas duvidamos das verdades que vêm dos nossos corações?
Por que sempre preferimos acreditar que é coincidência o que, na verdade, é providência? E por que não identificamos as coisas boas que as verdadeiras coincidências podem nos trazer?
E se o amor deveria ser algo sublime, mágico e maravilhoso na vida do ser humano, como conseguimos fazer com que ele se transforme em algo tão confuso? Por que o amor é tão recusado quando nasce e tão doloroso quando morre?Por que o Sol é tão querido num dia chuvoso e tão evitado num dia ensolarado?
Por que só querem a opinião de quem concorda?
Por que não podemos nos desesperarmos, nos confundirmos, nos irritarmos, nos ridicularizarmos? Por que não podemos surtar?
Por que as coisas que aparentemente são simples, na verdade, não são?
E por que nós, imperfeitos seres, não podemos nos aceitar como tais e simplesmente compreender que compreender tudo no mundo nem sempre é possível?

Um comentário:

☆Liliane♥ disse...

Post mais q perfeito e mais q filosófico. Amei! =)